A Vida e a Solidariedade – Tragédia em Brumadinho


Publicado em 29/01/2019 Categorias: Outros
a2

A Rede Socila se solidariza às vítimas do desastre de Brumadinho, o objetivo é arrecadar água, alimentos não perecíveis, produtos de higiene pessoal e roupas; você que queira ajudar, os locais de recebimento das arrecadações é em todas as “Franquias Socila”.

O povo brasileiro e o mundo estão de luto diante desta tragédia, faça a sua parte, ajudando a população de Brumadinho vítimas que precisam de acolhimento neste momento tão difícil, seja solidário! A tristeza nos olhos de quem aguarda notícias de parentes e vítimas do rompimento da barragem da Vale em Brumadinho, na manhã deste domingo (27), contrastam com as pessoas que chegam ao local para prestar solidariedade. Voluntários e médicos de todos os cantos tem se sensibilizado e chegam para ajudar no socorro às vítimas do rompimento da barragem do Córrego do Feijão em Brumadinho, Região Metropolitana de Belo Horizonte.

a4

a3

(fotos arquivo pessoal Sidnei )

 

O médico mineiro Sidnei Rodrigues (41), especializado em infectologia, está prestando atendimento, juntamente com sua equipe as vítimas no local, já que Sidnei tem experiência em missão, quando atuou no desastre socioambiental em Mariana.

Em entrevista realizada Sidnei fala com detalhes os momentos vívidos no Posto de Atendimento que fica localizado na Unidade Básica de Saúde Parque da Cachoeira em Brumadinho. O que ficou claro é que a “Vida e a Solidariedade caminham juntas”.

Sidnei Rodrigues Declarou: “o mais importante agora é salvar vidas”.

Acompanhe abaixo o depoimento de Sidnei.

 

Sidnei Rodrigues: Na madrugada de domingo houve o toque de alarme e alerta de risco de ruptura da Barragem VI no complexo de Brumadinho, assim a população local foi evacuada e nossas visitas restringidas; e a tristeza pelas mortes já confirmadas e danos se somou a uma apreensão, que nos faziam perguntar: Conseguirão evacuar todos a tempo? Já que nosso grupo no dia de ontem assumiu o compromisso de contribuir no atendimento à população, e mesmo com o alerta viemos; Vilmar, Rafael, Suelen e Maicon que veio de São Paulo para cá, no Posto Médico Parque das Cachoeiras, para estar e trabalharmos juntos com os demais companheiros e companheiras, da Rede de Médicos e Médicas populares, chegando aqui nos unimos a Marina, Clarissa, Raquel, Aline e outros companheiros solidários, como Adriana assistente social aposentada, Marie e Patrick bombeiros civis; todas estas pessoas unidas com vizinhos, igrejas e os fundamentais agentes de saúde do Posto Parque das cachoeiras trabalhando juntos; apesar da tristeza pelo desastre no posto médico reina uma agitação solidária, estamos juntos, estamos bem.

 

a1

 

Acrescentou:

Sidnei Rodrigues: Fomos chamados para conversar com um casal que não queria deixar a casa na nova área de evacuação, então batemos no portão e pedimos água, ele mostrou a casa e as melhorias feitas, a esposa estava apreensiva, com tato e paciência os convencemos a deixar a casa que ficava menos de quinhentos metros de onde estava já o mar de lama; os bombeiros ficaram aliviados e a esposa feliz, o casal tem duas filhas, uma delas é bióloga; no Posto as receitas de medicamentos indo de um lado para o outro, alguns chamados em voz alta, muita gente com seus celulares nas mãos, medição de pressão arterial, verificar ouvido do menino com febre, olhar uma micose antiga no braço, ver os psicólogos acolhendo uma família que perdeu sua casa, ver enfermeiros procurando medicamentos para pacientes; sentir o cheiro e ouvir os sons da cozinha, onde se produzia o almoço; crianças correndo e brincando com os chinelos trocados; depois comer lado a lado no meio da dor com quem celebra a vida, tudo mostrando que a vida e a solidariedade valem a pena.

 

Acervo: Socila
Jornalista Najla Rodrigues